Música, Literatura, Exposições e Cinema no Modernismo

21 de maio, 2012 - 05h45

 

A partir desta terça-feira, 22 de maio, Belém será a sede do evento “Revisitando Mário de Andrade e Villa-Lobos”, uma realização do Governo do Estado por meio da Secretaria de Estado de Cultura – Secult, e Instituto de Artes do Pará – IAP.

A programação celebra os 85 anos da visita de Mário de Andrade a Belém e os 125 anos de nascimento de Heitor Villa-Lobos, e acontece até o dia 17 de junho, com exposição, ciclo de palestras e cinema.

O movimento modernista, ocorrido nos anos 20 do século passado, é uma das maiores revoluções ocorridas nas artes brasileiras. O secretário de Cultura, Paulo Chaves Fernandes, destaca que o maior pensador do Pará, Benedito Nunes, no início, se opunha ao chamado movimento moderno, e logo em seguida foi conquistado pelas forças das ideias de Mário e Oswald de Andrade. “A antropofagia,  como princípio norteador na expectativa de seus realizadores – de deglutir literalmente os grandes movimentos artísticos, particularmente da Europa, se configurou depois numa vertente expressiva brasileira, e trouxe em seu bojo, nomes fundamentais para nossa cultura, com Oswald e Mário de Andrade, Menotti Del Picchia, Tarsila do Amaral, Victor Brecheret, Lasar Segall, Anita Malfati, Carlos Drummond de Andrade, Heitor Villa-Lobos e tantos outros artistas nas mais diversas formas de expressão”.  

Mais tarde, nos anos 60, como extensão e consequência do que aconteceu quarenta anos antes, o Tropicalismo inseriu outras formas de expressão na música, cinema e teatro, como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Joaquim Pedro de Andrade, Glauber Rocha e José Celso Martinez Corrêa, com seu inesquecível “Rei da Vela’, com texto originalmente escrito por Oswald de Andrade. No Pará, o poeta Ruy Barata defendeu a tese de que uma das grandes expressões musicais do Modernismo era o compositor Waldemar Henrique.

Tito Barata, gerente de Artes Literárias do IAP, ressalta a dimensão deste evento para a cidade: “Neste momento de reafirmação da brasilidade paraense, mostrar Mário de Andrade e Villa-Lobos, em toda a sua essência, é celebrar o talento brasileiro. A vida e obra de Mário e Villa, dois grandes gênios do século XX, irá encantar plateias que vão dos oito aos oitenta. Revisitar Mário e Villa é revisitar o Brasil, é revisitar o Pará, é revisitar Belém”.

O evento celebra também os 90 anos da Semana de Arte Moderna e os 85 anos da honrosa visita a Belém de Mário de Andrade. Hospedado no Grande Hotel, ele se encantou com as peculiaridades da capital paraense, expressa em O turista aprendiz: “Belém foi feita pra mim e caibo nela que nem a mão feita para luva”.  

Para Paulo Nunes, doutor em Letras, Belém está sendo folclorizada na mídia nacional, graças à gula da indústria cultural da música, e tem sido, salvo engano, menosprezada pela inteligência brasileira, naquilo que ela tem de mais vigoroso. “Múltipla, dinâmica, contraditória, assim é a antiga cidade do Pará, que forma e é formada nos subtextos da tensão entre local e o global. Cidade que, para além de porta de ocupação da Amazônia pelo colonizador português no século XVII, cresceu de costas para o rio e com certo menosprezo a parte significativa de sua(s) tradição(ões) luso-indígena(s) e africana(s), que resistem nos interstícios de gestos e ações líquido-simbólicas, bem ao sotaque amazônico. Graças à ação macramê de três de seus mais emblemáticos nomes – Bopp, Bandeira e Mário – Belém foi entronizada como uma das capitais simbólicas do Modernismo brasileiro”, destaca o professor.  

 

Confira a programação

 

ABERTURA OFICIAL:

22/05 - Abertura oficial com a presença dos representantes da SECULT /IAP

Apresentação do Coro Cênico da Unama com performance lítero musical   a  partir de trechos da carta de Mário de Andrade a Manuel Bandeira e composições de Villa Lobos.

Local : Teatro Maria Silvia Nunes - Estação das Docas

Hora: 17h

 

CICLO DE PALESTRAS

22 a 24 /05

Local: Teatro Maria Sylvia Nunes – Estação das Docas

Horário: 18h às 20h30

 

22/05 -  18h – Dr. Aldrin Figueiredo (UFPA) “O Encontro de Mário de Andrade com o rei da Turquia”

19h – Marcos Augusto Gonçalves (jornalista da Folha de São Paulo)  “1922 o ano que não terminou”

20h – Sessão de Autógrafos do livro de Marcos Augusto Gonçalves, “1922 o ano que não terminou”

 

23/05 - 18h – Dr. Paulo Nunes (UNAMA) “A Amazônia em Oswald de Andrade, apontamentos para um Modernismo em construção”

19h – Dra. Tatiana Longo Figueiredo (IEB – USP) “O Turista aprendiz de Mário de Andrade: manuscritos e modernidade”

 

24/05 - 18h – Ms. Vasti Araújo (UEPA) “Mário de Andrade e Abguar Bastos: desencontros e encontros”

19h – Luiz Adriano Daminello (cineasta) “Com Mário de Andrade o Modernismo viaja até a Amazônia”

 

EXPOSIÇÕES:

Período: 22/02 a 20/06

Horário de visitação: 12h às 21h

MÁRIO DE ANDRADE E A AMAZÔNIA: “O importante não é ficar, é viver. Eu vivo”.

Local: Boulevard da Gastronomia – Armazém 2 – Estação das Docas

Realização: IAP

Curadoria: Célia Jacob e Paulo Nunes

Projeto Gráfico: José Fernandes

 

A MODA COMO FORMA DE EXPRESSÃO DA ARTE MODERNA

Período: 28/05 a 15 /06

Local: Varanda do IAP

Realização: UNAMA /Curso de Bacharelado em Moda

Coordenação: Edila Porto

Curadoria: Lucinha Lobato e Yorrana Maia

Textos: Roseana Rodrigues

 

VIVA VILLA! PELO BRASIL

Período: 25/05 a 20/06

Local: Boulevard das Feiras – Armazém 3 – Estação das Docas

Realização: Clan Design /Secult

Curadoria: Fabiano Canosa

 

MOSTRA DE FILMES MODERNISMO NO BRASIL

Mostra Villa-Lobos e Mário de Andrade

Período: 28 a 31 /05

Local: Cine Estação/Teatro Maria Sylvia Nunes – Estação das Docas

Exibições em DVD

Entrada franca

 

Dia 28/05

18h: Bachianas Brasileiras: Meu Nome É Villa-Lobos 

1979, de José Montes- Baquer. 12 anos. Com Rildo Gonçalves, Sérgio Mamberti e Monique Lafond. Gênero:Drama biográfico. 120m.Cor

20h30: Eternamente Pagu

1988, de Norma Bengell. 110m. 14 anos. Gênero: Biografia. Com Carla Camurati, Nídia de Paula e Antônio Fagundes. Cor.

Dia 29/05

18h: Macunaíma

1869. De Joaquim Pedro de Andrade. 14 anos. 1h48m. Gênero: Comédia. Com Grande Otelo, Paulo José e Dina Sfat. Cor.

20h30: Villa-Lobos - Uma Vida de Paixão

2000. De Zelito Viana. Gênero: Drama histórico. Com Marcos Palmeira. Antonio Fagundes e Leticia Spiller. 14 anos. 2h.Cor.

Dia 30/05

18h: O Descobrimento do Brasil

1937. De Humberto Mauro. Classificação: Livre. 90m. Drama histórico. Preto e Branco.  Com Álvaro Costa (Pedro Álvares Cabral) e Manoel Rocha (Pero Vaz de Caminha)

20h30: O Mandarim

1995. De Julio Bressane. Com Fernando Eiras, Giulia Gam, Gilberto Gil, Gal Costa, Edu Lobo, Raphael Rabello, Chico Buarque e Caetano Veloso. 12 anos. 90m. Gênero; Biográfico. Cor.     

Dia 31/05

18h: Lição de Amor

1975. De Eduardo Escorel. Com Lilian Lemmertz e Rogério Fróes. 85m. 14 anos. Drama romântico. Cor.

20h30: Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade

1869. De Joaquim Pedro de Andrade. 14 anos. 1h48m. Gênero: Comédia. Com Grande Otelo, Paulo José e Dina Sfat. Cor.

 

CONCERTO EM HOMENAGEM A VILLA-LOBOS

17/06 – Orquestra Jovem Vale Música e o pianista Paulo José Campos de Melo

Local: Teatro Maria Sylvia Nunes

Horário: 19h

 

PROMOÇÃO: IAP /SECULT / SECRETARIA ESPECIAL DE PROMOÇÃO SOCIAL/GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

 

Texto: Augusto Pacheco

Imagem: Divulgação